sexta-feira, 17 de abril de 2015

DECIDIDO





Após atravessar e então entender
Jamais refém do que é medo
Nem enfadado por conta do trajeto
Nesse caminho mais longo
É agora que o horizonte se transforma
Em que nada se fraqueja
Sobre o que se diz de amar agora
Na simplicidade escolher
A virtude que nos avança
Ainda que o território não nos seja
Pouca coisa a nos modificar
Na ideia construir a ternura
Ainda que a verdade não seja a tua
Consentir esses corpos suspensos
Para que adiante não se negue
Entendendo que deuses sangram
E homens passam límpidos

Nenhum comentário:

Postar um comentário