sexta-feira, 17 de abril de 2015

DECIDIDO





Após atravessar e então entender
Jamais refém do que é medo
Nem enfadado por conta do trajeto
Nesse caminho mais longo
É agora que o horizonte se transforma
Em que nada se fraqueja
Sobre o que se diz de amar agora
Na simplicidade escolher
A virtude que nos avança
Ainda que o território não nos seja
Pouca coisa a nos modificar
Na ideia construir a ternura
Ainda que a verdade não seja a tua
Consentir esses corpos suspensos
Para que adiante não se negue
Entendendo que deuses sangram
E homens passam límpidos

LUMINUS



Toda essa leveza das coisas novas
Sobre esse caminho antigo
O instante em que a lembrança move
Ao desfragmentar o destino
Imediatamente revejo o evento anterior
Que mostrava a vida naquela incerteza
Sou eu agora que decido pelo encontro
Ainda que a noite persista em demorar
Firme no que se enxerga mais além
Ao se lançar, mesmo na chuva
É preciso sempre libertar alguém
Antes que o trem chegue à estação
É a jornada que sempre nos persegue
Até que um dia, sob iluminação profunda
A matéria é vencida no que transcende
E o caminho, apenas teus passos