domingo, 8 de março de 2009

MINHA HISTÓRIA


Eu sou a minha própria história
Eu sou as minhas escolhas, meus acertos, meus erros
Sou as minhas lembranças e saudades
Sou o meu passado, meu presente e meu futuro
Sou todos os minutos e segundos que me fazem cidadão deste mundo
Eu sou um pouco de cada pessoa deste planeta azul
Eu sou o que penso, o que me faz existir
Eu sou uma resposta para um plano divino
Sou todas as motivações acerca do que nos une
Eu sou aquilo que Deus plantou em meu coração
Sou a minha eternidade que segue
Num oceano imenso dentro de mim e ti


(O.L.)

quarta-feira, 11 de fevereiro de 2009

DEPOIS DE ONTEM


Depois de ontem, tudo se torna eternidade
Guarde sempre a saudade dos outros
Te anuncie quando estiverdes no mar

Tu desejas sonhar com estrelas
Te digo para que não durmas pensando nelas
Pois apenas pensar não nos permite conhecer

Por isso, dialogue com as estrelas
Reparta com elas um pouco da tua solidão
Desmistifique, por dentro, a razão de existir

Só assim estarás atento, sem estar solitário
Nessas trincheiras perdidas em cada curva
Remetidas por distante, alem do que vês

Todos os sentimentos, mágoas esquecidas
Interpretam um dilema natural
Amar sem medidas

Não te permitas nunca, amar pela metade
Esconder o ouro do que sentes a alguém
Por medo de não viver o que desejas

É natural, num mundo rápido, ser superficial
Mas não pode ser verdadeiro e enraizado
É dentro de ti que as vozes falam

De tal modo que ao olhardes pela janela
Enxerga teus problemas com ternura
Não os alimentem pela dor

Renova a tua causa, revendo teus conceitos
Compartilha teu coração, vivendo o que amas
E assim, não te perderás na ansiedade

São estes caminhos que nos levam
Um mergulho simples num rio do que se sente
Um manual revivido depois de ontem

terça-feira, 27 de janeiro de 2009

O TEXTO ETERNO...



Deus patenteia as suas vontades aos homens por meio dos acontecimentos, texto obscuro escrito numa língua misteriosa. Os homens tentam logo traduzí-lo, mas só conseguem fazer traduções enfezadas, incorretas, pejadas de contra-sensos, abundantes de erros e lacunas. Poucos espíritos aditou Deus com o condão de compreenderem a língua divina. Os mais ricos de perspicácia, serenidade e profundeza só vagarosamente vão decifrando o sentido das dificuldades do texto e quando vêm a lume com o fruto das suas elucubrações, vinte traduções pejam há muito em praça pública. De cada tradução nasce um partido e uma facção de cada contra-senso. E cada partido julga ser o único que possui o texto genuíno e cada facção se supõe como iluminado à divina luz.

Victor Hugo