sábado, 19 de janeiro de 2008

A ÚLTIMA BATALHA


Aqui estamos, aqui chegamos
Olhamos sozinhos, fracasso por fracasso
Dizemos sempre a mesma coisa
Como se quiséssemos justificar um erro pelo outro

A violência sem medidas denegriu a essência
Tornou o mal, senhor da situação
Viabilizou o medo escancarado
Tornando real o que não sonhávamos existir

Estamos sendo derrotados nesta guerra...
Não é nenhuma novidade
Contar quantos perdemos
Vivermos escondidos dia após dia
Esperando por algo que jamais chegará

Falamos de um futuro melhor, de um doce amanhã
Entretanto, mal sabemos cultivar o hoje
Nos importamos mais com aquilo que não conhecemos
Do que com o que sempre tivemos de bom

Permitimos que falem por nós aos outros
Mas nunca dizem o que devíamos ouvir
Nunca fazem o que mereceríamos receber
Nunca são o que gostaríamos de conhecer

Estão tornando céu e mar vermelhos
Nos oferecendo sempre algo muito ruim
Estão usando a cor bela do amor
Ultrajando sonhos perdidos no caminho
Estão calando a nossa voz
Para que muito em breve
Não possamos ao menos... coexistir