quinta-feira, 13 de julho de 2006

VIAJANTE


Há um amor perdido
Remetido à instâncias
Divagando em ventos distantes
Contornando este lado que não se conhecia

Há desejos feridos
Sobre chagas profundas
Um arremesso no obscuro
Uma tentativa de entender o mundo

Há mergulhos no todo
Enclausurados no que se vivencia
Um achado esquecido
Num amanhecer antes das fronteiras, antes do dia

Nenhum comentário:

Postar um comentário