sábado, 22 de julho de 2006

POR DENTRO


Há um homem dentro de mim
Que desenha meu ego inflamado de paixão
Me conduz a um mar de sentimentos
Fazendo que eu esqueça todas as ilusões

Há um poeta dentro de mim
Que me permite viajar em palavras
Conhecer destinos longíquos sem os enxergar
Ser eterno por apenas coexistir para depois tocar

Há uma mulher dentro de mim
Que me faz enxergar o mundo com mais ternura
Amando sem medidas como se fosse um tipo de cura
Desejando por apenas sentir, um milagre a dividir

Há um desejo perdido em minha alma
Adormecido por um instante esquecido
Vagando como nuvens, beijando o paraíso
Alimentando desertos que não cabem em mim

2 comentários:

  1. A cada dia, descubro um O.L. novo com o qual me encanto!
    Beijuxxxxxxxxxxx!

    ResponderExcluir
  2. Encontrar seu blog por acaso, caro Orlando, é como achar um oásis no deserto. Esplenderosos poemas de uma profundidade tão imensa que nos servem como mananciais para o cotidiano.
    Não sei se alguém já lhe disse, mas seu modo de escrever e de poetizar é semelhante ao inesquecível Fernando Pessoa.
    Parabéns, meu caro e obrigado. Deixo a você um grande abraço.

    Mário Lanus (mlanus@uff.br)

    ResponderExcluir