quinta-feira, 29 de dezembro de 2005

Visões


E verás em mãos que desenham o tempo
Pois saberás que tudo é mutável, mesmo que toques
E te lembrarás que o que viveste é herança
E entenderás que do lado de fora há um mundo ainda

Correrás por campos imensos, até te cansardes
Te deitarás em tenras gramas que acolhem
Falarás baixinho, pois se tu quiseres elas te escutarão
E serás melhor, pois te atentarás aos que sempre te viram

Modificarás tua história, não confrontando o destino
Viverás cada etapa, cada minuto, cada instância
E estarás no ciclo que sonhaste tempos atrás
Este preencherá as lacunas que restam em ti

Absorverás tudo e te sentirás livre

sábado, 24 de dezembro de 2005

Paisagens


Estarei aqui após a tormenta
Nada me interessa mais nestes dias
Do que apenas estar observando

Dirigido à linha da existência no agora
Projeto-me para o outrora
Em um caminhar que me leva distante

Num lirismo em paisagens, tudo sobre mim passa
Imagens não transitam e nem se vão
São apenas os olhos que as permitem ir

Numa equivalência de acontecimentos
Somatiza-se aquilo que se vislumbra
Numa progressão que permite mudanças em nós

Para Sempre


Pense bem, antes de deixar tudo para trás
Aproveite a oportunidade de nos entendermos de novo
Redescubra todo sentimento em mim ainda contido, pois
A separação nos deixará perdidos


Surpreenda-me, para que eu possa crer em possibilidades
E verás que é desta forma que se seduz, porque
Me será entregue toda uma vida
Para que não exista mais a passada rotina
Recusarei todas as palavras que não forem as tuas
E como desejamos a eternidade: serás minha... para sempre

segunda-feira, 19 de dezembro de 2005

Mesmo


E agora que se encerra, que há um desfecho
Onde uma parte que era a metade
E a outra que era o começo
Reintegra-se o consôlo, mas se perdem de si mesmos

Um dia após o outro dizem que é o remédio
E como se altas doses fizessem efeito
Sugerem novas tentativas, novos quereres
Mas não entendem que o fato novo é sempre o mesmo

E assim que se percebe, que a distância é maior do que estar
Preferem seguir caminhos que não são compartilhados
E convidam um ao outro a se permitirem ser solitários
Mas não compreendem que ainda estão interligados

Neste ambiente que se segue, que se vê
Deturpa-se o sorriso, inibe-se o querer
Para que se preserve o outro, retiram as algemas
E a liberdade de quem se ama é oceano de águas plenas

sábado, 10 de dezembro de 2005

Variáveis


Quando me pedes que eu seja sempre o mesmo
Tu não entendes que a metamorfose é natural
Pois permite-se assim que a evolução tenha continuidade
Que o melhor em nós não seja apenas mais um relato

Peço-te apenas compreensão sobre aquilo que nos cerca
As variáveis são infinitas e o tempo as intermedia
Estejas serena, pois quando digo que aos poucos estarei mudado
Não incluo nesse prosseguir a minha essência
Ela permanece a mesma, é a minha própria matriz

Entretanto, a noção de existir ao longo da caminhada,
A simbiose com tudo que a vida apresenta como plataforma,
O querer aproximado e sentido tantas vezes... todos mudarão
Pois serão filtrados para que haja continuidade na melhoria

E entenderás a razão da evolução
Onde a luz se tornará incandescente
Saberás que as mudanças ocorrem naturalmente
E desejarás que elas viabilizem o bem maior, muito maior