terça-feira, 15 de novembro de 2005

Imperfeitos


E se te espantas quando digo que te amo
Ficarás então perdida quando dizer que te quero
Há tempos sei que és meu complemento
O pedaço de mim que faltava no ontem

Nunca entendi porque foi tão complexo te encontrar
Uma busca grandiosa como a própria existência
Sei que não te esperava somente no agora
É tudo bem anterior, bem longíquo

Mesmo que amanhã tu partas e não queiras aqui ficar
Entenderás que quando te olhei hoje, te vi sob plenitudes
E chegarás a conclusão que não sou igual ao de ontem
Pois se tenho você aqui, sou melhor em qualquer instância

Já te foste tantas vezes que aprendi a aguardar
Compreendo que tua alma é inquieta e teu gostar é oscilante
Mas de modo incrível, recebi uma carta do amanhã
Que me pede para te esperar, pois tu irás acordar em breve
E ficarás aqui, comigo

Nenhum comentário:

Postar um comentário